Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Chineses querem "retificar os erros" do Hospital Geral

O Jornal O Páis divulgou esta semana a notícia, segundo a qual, o governo chines vai construir uma nova unidade hospitalar em 30 meses com uma lotação de mais de 200 leitos (100 a mais), no mesmo local onde está o hOspital Geral de Luanda.
O edifício que albergava o Hospital Geral de Luanda (HGL), no município do Kilamba Kiaxi, será demolido nos próximos dias, depois de na semana passada terem começado os trabalhos de retirada dos equipamentos, janelas, portas e aparelhos de ar condicionados.
De acordo com O JORNAL, a directora provincial da Saúde de Luanda, Isabel Massocolo, antiga directora da referida unidade hospitalar, disse que depois do derrube da actual estrutura será erguida uma outra no mesmo local por uma outra empresa chinesa.
Inaugurada em 2006, depois de 15 meses de construção pela construtora chinesa Sociedade de Engenharia do Ultramar (COVEC), a nova estrutura também estará a cargo de uma firma chinesa, apesar das suspeitas em relação a qualidade da própria obra lançadas após o encerramento em Julho de 2010, quatro nos anos depois da sua abertura.
Com dois pisos, o Hospital Geral de Luanda tinha serviços de consultas externas e de especialidades, entre as quais otorrinolaringologia, dermatologia, pediatria, neurologia, oftamologia e fisioterapia.
Comportava ainda uma administração, refeitório, centro maternoinfantil, maternidade, três blocos operatórios, raio X, parque de estacionamento para viaturas, morgue, lavabos, cozinha e uma lavandaria.
Com o aumento das fissuras no edifício, os doentes foram transferidos para outras unidades hospitalares da capital, até que os responsáveis do Governo de Luanda decidiram fechar as instalações.
Aumento das dimensões
Ao contrário das dimensões apresentadas pela infra-estrutura em vias de ser derrubada, que tinha uma capacidade de internamento de 100 camas, o novo Hospital Geral de Luanda vai ser construído em 30 meses com uma lotação de mais de 200 leitos, de acordo com informações avançadas pela directora de saúde na capital do país.
“A partir de 24 de Dezembro de 2011 nós tivemos o cuidado de abrir as portas do banco de urgências do Hospital Geral de Luanda. Ao mesmo tempo, também no dia 30 de Dezembro, começou a reabilitação, construção e ampliação do referido hospital”, explicou Isabel Massocolo, revelando que “hoje (quarta-feira, 10 de Novembro) que vos falo, assinamos já o protocolo entre os governos angolano e o chinês para termos tudo escrito em relação ao Hospital Geral da Luanda”.

Sem comentários: