Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Carbono Casimiro em perigo

O jovem Carbono Casimiro, um dos mentores das várias manifestações realizadas o ano passado em protesto aos 32 anos do Presidente José Eduardo dos Santos no poder, foi procurado por dois elementos estranhos a porta de sua casa por razões ainda por se compreender.
Ele denunciou o facto por intermédio de um texto intitulado “S.O.S Mundo: Carbono Casimiro perseguido por dois feios “eduarlistas” publicado na sua página do facebook.
Para facilitar a localização dos supostos mal feitores caso lhe acontece alguma coisa de anormal, Casimiro publicou também algumas fotografias com os rostos dos mesmo e do automóvel de marca Toyota 4Runner, com a chapa de matrícula LD-83-81-CA, em que faziam se transportar.
"Dois indivíduos desconhecidos abordaram um rapaz em frente ao meu portão perguntando-lhe se conhecia o Carbono. O rapaz, inocente, respondeu que sim e de seguida chamou-me, pois eu não me encontrava muito distante do portão que dá para rua, fui ter com as pessoas que procuravam saber de mim, deparo-me com os dois senhores, tendo um deles apresentando-se como Correia” ”, lê-se no texto.
Segundo conta, os indivíduos começaram com uma conversa bastante estranha que deu-lhe logo a entender que não vinham com boas intenções. Usaram o pretexto de querer saber sobre um panfleto qualquer que anunciava emprego, algo meio confuso.
“Decidi despachá-los. Eles, meio envergonhados, foram para uma direcção que não era bem a deles e fingiam estar a procura de alguma informação. De seguida entrei em casa, peguei a câmara e furtivamente comecei a fotografá-los. Eles por sua vez, subiram no carro Toyota 4Runner de matricula LD-83-81-CA e não satisfeitos, davam voltas na rua atrás de mais informações, até que ganharam coragem e começaram a fotografar a entrada da minha casa. O seu real objectivo com essa incursão, ficou por perceber. Partilho isto convosco, pois, no caso de algo me acontecer (batam na madeira), já terão um ponto de partida para as investigações", relatou Carbono Casimiro.

Sem comentários: