Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Caso Nova Vida: Perfil do malogrado

Nos vários elogios fúnebres proferidos no cemitério do Alto das Cruzes pelos familiares, amigos e colegas de trabalhos, antes do sacerdote que presidiu ao acto ter ordenado que depositassem os restos mortais de Lopo Loureiro na cova, o jovem foi descrito como sendo uma pessoa humilde, respeitoso, paciente e dedicado nos seus afazeres diários.
A grandiosidade do amor que nutria pelo próximo foi manifestada publicamente por três cidadãos que se dedicavam a lavagem da sua viatura, exibindo cartazes manifestando a sua tristeza e repúdio a esta barbárie.
O jovem, que trabalhava na direcção de Corporate do Banco de Poupança e Crédito (BPC) desde 2007, estava prestes a abandonar este posto para integrar o departamento de negociações da petrolífera angolana Sonangol.
Lopo Loureiro nasceu em 1975 e iniciou os estudos primários na escola São João, no bairro Popular, de onde passados três anos foi transferido para uma das escolas localizadas na Vila Alice, onde veio a concluir o ciclo primário. O facto de naquela instituição não leccionar as classes subsequentes fizeram com que os seus pais o matriculassem em 1987 na escola do primeiro e segundo nível Zinga Mbandi.
Após à conclusão desta fase, isto em 1990, passou a frequentar o curso médio de Ciências Sociais, no Centro Pré Universitário da Ingombota. Três anos depois deslocou-se a Lisboa, onde através de um acordo existente entre Angola e Portugal, teve que frequentar a 12ª classe para depois inscrever-se no curso de gestão e administração pública, do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa.
Em 2002 partiu para a cidade de Abeerden, na Escócia, a fim de estudar a língua inglesa e em Setembro do ano seguinte foi admitido para frequentar o segundo ano do mesmo curso superior que frequentava nas terras de Camões, na universidade com o mesmo nome desta cidade. Apesar de a ajuda que recebia do seu irmão Caló, que residia naquele país há mais tempo, decidiu trabalhar em part-time na cadeia de supermercado Haja.
Após concluir o curso superior de gestão de empresa, em 2007, regressou a Angola e começou a estagiar na Endiama, mas em Outubro do mesmo ano pós fim a essa etapa para exercer a função de gestor de contas do BPC. Função que exerceu até à data da sua morte.

Sem comentários: