Pesquisar neste blogue

terça-feira, 9 de junho de 2009

Essa doeu meu Kamba Jamilsom Miguel

Fiquei em pânico, trémulo e sem forças para mover o corpo quando recebi uma mensagem do nosso amigo Lutomatala a dizer que fizeste já aquela viagem sem volta. Apesar de já se terem passado três noites mal dormidas, pensando nos nossos encontros e desencontros, debates e ralhetes, convívios que queríamos que fossem intermináveis, mas as responsabilidades obrigava-nos a terminar. Podes não ter pensado nisso Jamilson Miguel, mas essa desta a doer muito meu kamba. Que a tua alma descansa em paz.


Contrariamente ao prometido (que seria publicar alguma materia com caracter noticioso), volto esta semana a preencher este espaço com muita dor no coração por ter perdido um grande amigo e companheiro das horas difíceis. Jamilson da Costa Miguel, eis o nome de um jovem de apenas 23 "cacimbos", como ele dizia, que perdeu a vida este domingo durante um acidente de viação. Quem o conhecia, sabe certamente que era uma pessoal formidável, sempre disponível para ajudar os outros e com uma visão futurista muito grande.



Ambos almejavam-nos participar na VI Jornadas Internacionais de Jornalismo da Universidade Fernando Pessoa, mas fui impedido de o fazer por motivos profissionais e académicos e tu não existas-te, acabando por viver a outra realidade que sempre quis que experimentasses para melhor compreenderes o que é fazer jornalismo de Verdade. Jamilson Miguel em Portugal.

1 comentário:

Mazungue disse...

Jamilson, de meu aluno de jornalismo, passou a ser um amigo, um camarada. Foi realmente chocante a morte do amigo Jamilson. E ainda tenho no telemóvel o texto da última mensagem que me enviou convidando-me para a festa do seu aniversário. "Meu irmão, amanhã completo 23 cacimbos. Por isso estás intimado p compareceres amanhã a minha casa, na rua E do Bairro Popular, AS 18:30. Att: Não avisa ninguém, pois não se trata de uma festa, mas sim de uma noite de reflexão. Conto contigo!"
Eu não pude ir, perdi... Que pena! Adeus amigos, descanse em paz!

Augusto Alfredo