Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Assinala-se hoje o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

Assinala-se hoje, Quinta-feira, 3 de Maio, o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Esta data foi escolhida por se tratar do dia do aniversário da “Declaração de Windhoek”, aprovada durante um seminário organizado pela UNESCO sobre a "Promoção da Independência e do Pluralismo da Imprensa Africana", que se realizou em Windhoek, Namíbia, de 29 de Abril a 3 de Maio de 1991.

A Declaração considera a liberdade, a independência e o pluralismo dos medias como princípios essenciais para a democracia e os direitos humanos. Este ano a efeméride é comemorada sob o tema “Novas vozes: a liberdade da media ajudando a transformar sociedades”.
Por ocasião da data, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e a directora-geral da UNESCO, Irina Bokova, emitiram uma mensagem conjunta, onde consideram a liberdade de expressão um dos direitos mais preciosos.
Sustenta toda a liberdade aos outros e fornece uma base para a dignidade humana. Imprensa livre, pluralista e independente é essencial para o seu exercício.
Segundo a mensagem, a liberdade de imprensa implica na liberdade de ter opiniões e de procurar receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras, como previsto no artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Essa liberdade é essencial para as sociedades saudáveis e dinâmicas.
“As mudanças no mundo árabe demonstraram o poder das aspirações de direitos, quando combinado com novas e velhas medias”, lê-se na mensagem, acrescentando que, “a recém-descoberta liberdade de imprensa está prometendo transformar as sociedades através de uma maior transparência e responsabilidade”.
De acordo com a mensagem, “é abrir novas formas de comunicar e compartilhar informações e conhecimentos. Poderosas novas vozes estão mais altas, especialmente as dos jovens, onde ficavam caladas antes. É por isso que este ano o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa é centrado no tema “Novas vozes: a liberdade da media ajudando a transformar sociedades”.
Acrescenta que a liberdade de imprensa também enfrenta pressões severas em todo o mundo. No ano passado, a UNESCO condenou o assassinato de 62 jornalistas que morreram no exercício da sua função.
Esses jornalistas, indica o documento publicado no dia 27 de Abril de 2012 “não devem ser esquecidos e os crimes não devem permanecer impunes. Como a media se move virtualmente, outros jornalistas on-line, incluindo bloqueios, estão a ser perseguidos, atacados e mortos pelo seu trabalho. Eles devem receber a mesma protecção que os trabalhadores tradicionais da media”.
Para o documento conjunto, em 13 e 14 de Setembro de 2011 foi realizada na UNESCO, a primeira reunião interinstitucional das Nações Unidas sobre a segurança dos jornalistas e a questão da impunidade.
Acrescenta que foi produzido um plano de acção da ONU para construir um ambiente mais livre e seguro para os jornalistas e profissionais de media em todos os lugares.
Ao mesmo tempo, prossegue a mensagem, “continuaremos a fortalecer as bases legais para a media livre, pluralista e independente, especialmente em países submetidos à transformação ou à reconstrução após conflito”.
No final, Ban Ki-moon e Irina Bokova apelam aos Estados, meios profissionais e organizações não governamentais em todos os lugares para unir forças com as Nações Unidas para promover a liberdade online e offline de expressão, de acordo com princípios internacionalmente aceitos.
“Este é um dos pilares dos direitos individuais, uma base para sociedades saudáveis e uma força de transformação social”, conclui a mensagem.

Sem comentários: