Pesquisar neste blogue

terça-feira, 6 de abril de 2010

DNVT realiza operação ‘Stop Páscoa’

A Direcção Nacional de Viação e Trânsito (DNVT) iniciou ontem uma operação de prevenção rodoviária denominada Stop Páscoa, com o objectivo de reduzir o número de acidentes. Esta informação foi avançada em Luanda pelo chefe do Departamento de Segurança e Prevenção Rodoviária, superintendente Edgar Arnaldo.
A operação está em curso em todo o país por ocasião dos feriados da Páscoa e do Dia da Paz e Reconciliação Nacional, a assinalar-se na próxima segunda-feira.
“As direcções provinciais da Polícia de Trânsito estão todas orientadas a agirem de forma rigorosa durante este período, de maneiras que a circulação de pessoas e bens seja mais segura. E que destaquem os seus efectivos naqueles pontos que consideramos como sendo cinzentos e negros, se exerça um maior rigor e fiscalização de modo a baixarmos drasticamente o volume de acidentes neste período da Páscoa”, explicou.
Três pessoas morreram e oito outras ficaram feridas, em consequência de 14 acidentes de viação ocorridos de 15 a 21 do mês passado. No domínio da regulação do trânsito rodoviário, foram apreendidas 74 viaturas por infracções diversas ao código de estrada e aplicadas 158 multas. Os acidentes provocaram danos materiais avaliados em um milhão, 980 mil kwanzas.
De acordo com dados estatísticos da DNVT, a província de Luanda continua a liderar a lista de cidades com maior número de acidentes de viação, seguida por Benguela. Entre as principais causas constam as colisões entre veículos automóveis e capotamentos. Por esta razão, o porta-voz do comando provincial da Polícia de Luanda, superintendente-chefe Jorge Bengue, anunciou que a corporação concentrará todos os seus efectivos nas principais estradas de acesso e saída da capital.
Jorge Bengue informou que as autoridades reforçarão o patrulhamento nos locais onde, em ocasiões semelhantes, se regista habitualmente uma elevada concentração de pessoas, nomeadamente, estrada do Benfica, embarcadouro do Mussulo (Samba), Kilamba-Kiaxi, Maianga, Cacuaco, Viana e na Ilha de Luanda (Ingombota).
O oficial da Polícia esclarece que as áreas abrangidas pela operação são consideradas de risco, por isso o objectivo é diminuir os acidentes de viação causados principalmente por excesso de velocidade, condução em estado de embriaguez e a não observância do Código de Estrada.
A operação pretende dar um grande enfoque à prevenção e educação rodoviária, para além de recorrer ao aconselhamento de regras como o uso do cinto de segurança, a não utilização do telemóvel durante a condução e o consumo reduzido de álcool.
Para os dias subsequentes, as acções estarão viradas para a fiscalização e controlo do trânsito automóvel, particularmente das viaturas em mau estado mecânico, excesso de velocidade e infracção das leis do Código da Estrada.
Mais de 250 agentes de trânsito e divisões de polícia estarão mobilizados por dia, com o apoio de viaturas, motorizadas e helicópteros. Igualmente estarão em funcionamento meios como radares e bafómetros. Dados referentes ao mesmo período do ano transacto, registam 20 mortos e 45 feridos, em acidentes de viação.

Novo Código de Estrada há um ano
O superintendente Edgar Arnaldo revelou esta quinta-feira, 1, que a falta de comprimento por parte dos cidadãos das regras de trânsito tem sido uma das principais causas dos acidentes de estradas. O chefe do Departamento de Segurança e Prevenção Rodoviária fez estes pronunciamentos em entrevista a TV Zimbo por ocasião do primeiro aniversário da entrada em vigor do novo Código de Estrada.
Edgar Arnaldo é de opinião que se as normas de prevenção rodoviária fossem acatadas, assim como as regras de condução e as normas de travessia, “teríamos um número reduzido de acidentes de viação”.
Quanto ao modo como os policiais passaram a actuar desde a entrada em vigor do Código de Estrada, Edgar Arnaldo explicou que tem estado a melhorar na medida do possível e lamentou o facto de não terem o respaldo da população. “Nosso enfoque principal da nossa atenção é o policiamento e fiscalização do controlo rodoviário, mas infelizmente não temos o beneplácito dos utentes da via para definitivamente nós começarmos a concluir que há eficácia na aplicação do Código de Estrada”.
Edgar Arnaldo apelou a sociedade a compreender a atitude de alguns agentes de trânsito, tendo em conta que há imperfeições, referindo que estão a criar condições para melhorarem a performance do seu efectivo com vista o cumprimento das normas previstas para a implementação do documento acima referido.
“Tudo isso para que a fiscalização seja mais rigorosa e que exija que o cidadão cumpra efectivamente com as normas previstas no novo Código de Estrada”, explicou, acrescentando de seguida que “não diria que haja falha dos agentes de trânsito, embora consideramos que a Polícia tem sido bastante rigorosa. Considero que há um desequilíbrio entre as formas de actuação e a forma de procedimento do cidadão. Queremos que isso cesse para que a efectivação desse documento seja um facto”.
Fazendo uma comparação entre o antigo Código de Estrada e o novo, o oficial superior da Polícia disse que o número de veículos em circulação em Luanda é muito superior ao que existia há cinco anos e isso faz com que haja muito para se fazer.

Sem comentários: